Para nossa alegria: remédio para diabetes diminui também a depressão

1
Compartilhe!

Medicamento mais utilizado no Brasil para tratar o diabetes possui outro efeito positivo: corta pela metade a incidência de depressão em diabéticos tipo 2.

 

A metformina é o princípio ativo dos medicamentos antidiabéticos mais vendidos e receitados tanto no Brasil quanto nos EUA. Ela funciona ao inibir a liberação de glicose pelo fígado, o que ajuda a diminuir as taxas de açúcar no sangue, além de melhorar a sensibilidade das células do corpo à insulina. Mais do que ser uma excelente medida contra o diabetes, pesquisas já haviam demonstrado que a metformina estimula o crescimento dos neurônios (veja na matéria “A Inteligência Diabética“), as células cerebrais. Agora, mais um benefício do uso do medicamento foi encontrado: ele também combate a depressão.

Cientistas de Taiwan realizaram um amplo estudo de 12 anos e concluíram que diabéticos que tomavam a metformina eram menos propensos a desenvolver alterações patológicas de comportamento, além de doenças como Parkinson e Alzheimer. Quanto à depressão, o uso do medicamento diminuía em até 50% os casos do distúrbio neurológico. O trabalho foi feito por pesquisadores da Universidade Monash e do Centro Nacional de Pesquisas de Saúde e aparece online no site do periódico BMC Medicine.

Já era sabido que diabéticos eram mais propensos a ter problemas de humor e depressão. Após esta pesquisa, novas idéias surgiram acerca da ligação entre as condições. Diz o professor Mark Wahlqvist, do Departamento de Epidemiologia e Medicina Preventiva da Universidade Monash: “Em pesquisas anteriores, nós descobrimos que a demência e o mal de Parkinson – as formas mais comuns de doenças neurodegenerativas – são muito mais comuns após o início do diabetes. O mesmo parece ser verdade para distúrbios de humor, incluindo todas as formas de depressão. Nós descobrimos que depressão e diabetes têm maiores chances de ocorrer juntas do que seria esperado a partir de suas respectivas prevalências individuais.” O professor complementa: “É possível que processos neurodegenerativos estejam influindo na depressão associada ao diabetes e que o uso da metformina minimize este risco.”

 

 

Compartilhe!