Revelado o segredo da água de quiabo

137
Compartilhe!

Você também ouviu a história da água de quiabo, experimentou a receita e sua glicemia baixou? Quer saber o motivo disto? Não perca a resposta neste polêmico texto!

Quiabo é bom para diabetes?

UM TEXTO ESPECIAL POR RONALDO WIESELBERG

No dia 23/11/2013, um sábado, uma “revolução” acontecia na televisão e eu estava com muito medo, não pela revolução em si, mas pela minha prova de Patologia, que aconteceria na segunda-feira e porque depois, viajaria até o outro lado do mundo para o programa Young Leaders in Diabetes da IDF (Federação Internacional de Diabetes) e para o Congresso Mundial de Diabetes (acesse o link acima para ler sobre a viagem!)

Pois bem. Como essas duas coisas podem estar relacionadas? Ambas têm a ver com o mesmo assunto: diabetes.

A verdade – inconveniente – é que o diabetes é uma das maiores epidemias no planeta. Dados recentes mostram que quas 400 milhões de pessoas no planeta são portadoras de algum dos tipos da doença. E o pior, o diabetes exige muitos cuidados e mudanças por parte do paciente.

Eis que no quadro Jovens Inventores – peço perdão se errar o nome do quadro! – do programa Caldeirão do Huck, três jovens de 17 anos apresentaram uma “invenção”, batizada por eles de “O Incrível Quiabo”.

Sim, quiabo. Aquela coisa verde que ou você ama – como eu – ou odeia.

Simplificando a história, os jovens – dois meninos e uma menina –, inspirados pelo caso de diabetes de uma colega de escola, decidiram, sob a tutela da professora de Química, investigar o assunto. Encontraram uma pesquisa que dizia que ratos alimentados com farinha de quiabo tinham menores medições de glicemia… E pensaram num jeito mais “palatável” para o ser humano. Basicamente, um “chá frio de quiabo”.

Alguns voluntários – parentes e amigos dos jovens – provaram a tal água de quiabo e relataram diminuições impressionantes na medição glicêmica.

Por essa iniciativa – veja bem, eu disse INICIATIVA, nada a respeito da investigação ou do resultado! – os jovens receberam 30 mil reais (!!!) como prêmio. E é aqui que a coisa começa a desandar.

 

O LADO BOM E O LADO MAU DO QUIABO

Luciano Huck e "O Incrível Quiabo"

Luciano Huck e “O Incrível Quiabo”: cura ou empulhação?

Desde 1898 o quiabo é conhecido por ter algumas propriedades diuréticas, além de ser rico em fibras. Ele faz parte da alimentação de muitas pessoas, na América, Ásia e África, que vai desde o nosso delicioso frango com quiabo – ô trem bão, sô! – até biscoitos de quiabo no sul dos EUA. Daí, algumas pesquisas já foram feitas a respeito disso.

A coisa é que o pessoal em casa, que não sabia dessas pesquisas, e que normalmente não é tão ligado assim no assunto diabetes entendeu que o quadro do Caldeirão estava mostrando um novo TRATAMENTO, comprovado, e em alguns casos, a CURA do diabetes com a água de quiabo. Foi um mal entendido MUITO grave!!!

Ressaltando, e de novo: A ÁGUA DE QUIABO NÃO É TRATAMENTO COMPROVADO PARA O DIABETES. Nem ela, nem o chá de pata de vaca, chá de folha de jambolão, batata yacon… Todos estão sendo estudados!

Voltando… Por mais que a água de quiabo possa ajudar, temos vários problemas nessa história. O mais grave deles, e o que eu quero ressaltar aqui é que temos pessoas PARANDO COM A MEDICAÇÃO para usar APENAS A ÁGUA DE QUIABO como “tratamento”.

Isso sim é MUITO GRAVE e pode ter problemas MUITO grandes.

 

SABE POR QUE DÁ PARA CONFIAR EM MEDICAMENTOS?

O medicamento é a forma que temos, comprovada por vários testes – e para pagar esses testes é que o medicamento fica caro, são quase 10 anos de pesquisa para que cada medicamento seja lançado… – para tratar o diabetes, e nenhum deles faz mal. Infeliz foi o cara que disse que fazem.

Sem o medicamento, o corpo não consegue usar a glicose da maneira certa, que fica acumulando no sangue, e aí, sim, é que surgem os riscos de complicações. Nenhum médico, em sã consciência, e estando atualizado sobre as indicações, vai receitar um medicamento que faça mal.

Largar os medicamentos é garantia de desastre, cedo ou tarde.

“Ué, mas a minha glicemia baixou…”

Que bom que baixou! Mas será que foi só a água de quiabo a responsável por isso? Tem certeza que nesse dia você não andou um pouquinho mais? Não comeu menos? Vamos dar uma olhada no que se imagina que tenha sido o processo…

 

O SEGREDO REVELADO DA ÁGUA DE QUIABO

água de quiabo e diabetesA água de quiabo é diurética, isto é, faz com que quem tome a água faça mais xixi. No xixi, saem, junto com a água, um monte de substâncias, sais e GLICOSE. Por mais que os nossos rins sejam fantásticos e tentem reabsorver sais e glicose, se a glicemia estiver acima de certos valores, eles não conseguem reabsorver tudo, e aí, sai glicose pela urina.

Com mais urina, mais glicose saindo, certo? E se tem mais glicose saindo, a glicemia está baixando, correto?

Ééééé… Tá bem. Mas e as pessoas que, devido ao diabetes descontrolado, já têm algum problema nos rins – caiu essa na minha prova de Patologia! –, será que vai funcionar? A resposta é sim, mas a um preço muito grande… Os rins vão piorar muito mais rápido.

Outra coisa é que, por ser um “chá de quiabo”, não existe como medir a quantidade da substância responsável que a gente toma em cada copo de água de quiabo.

Não entendeu? Então, vamos pensar assim… Se cada 1mg da substância baixar 10mg/dl da minha glicemia, um copo de água tem… Ééé… Espera. Quanto da coisa tem em cada copo??? Não sabemos. E isso pode fazer com que a glicemia NÃO baixe, ou pior ainda, baixe MUITO.

Enquanto a hiperglicemia causa problemas a médio e longo prazo, as hipoglicemias – ou seja, quando a glicemia está baixa demais – causam problemas a curto prazo…

“Mas baixou a minha glicemia, que vivia em 250mg/dl! Isso é o que importa!”

Calma! Mais ou menos… Mais ou menos. A glicose, o açúcar do sangue, é o combustível do corpo – como se o corpo fosse um carro e a glicose fosse a gasolina! –, e por isso não podemos deixar a glicemia em 0mg/dl, se não, o carro “para” no meio da rodovia!

Assim, a gente precisa da glicose DENTRO das células – ou seja, da gasolina no motor do carro. As medicações, como metformina, mais um monte de nomes esquisitos, e a própria insulina, permitem que a glicose entre na célula, e aí, sim, ela seja usada para que a gente tenha energia.

Se a gente só baixa a glicemia perdendo glicose pela urina, vai faltar gasolina para o carro, e aí, uma hora ou outra, ele vai parar.

Isso sem falar em possíveis problemas que podem ser causados pelo fato de a gente não saber direito “o que” faz a glicemia baixar.

“Como assim, Ronaldo? É natural, se não faz bem, mal não vai fazer…!”

Errado. Pode fazer mal, sim. Senta, pega a pipoca e uma Coca Zero.

 

MELHOR PREVENIR DO QUE REMEDIAR

A maioria das substâncias no nosso corpo tem um efeito que depende da quantidade que elas estão no corpo e se elas são influenciadas por “outras” substâncias. Se a gente está, por exemplo, tomando um antibiótico e junto toma bebida alcoólica, isso influencia o efeito do antibiótico – essa provavelmente todo o mundo já ouviu falar.

Assim, é a mesma coisa com a água do quiabo. Se a gente não sabe o que tem, exatamente, como garantir que não vai ter nenhuma influência tóxica (!!!) quando tomarmos algum antibiótico junto, quando tomarmos um remédio para dor de cabeça…? Como garantir que a glicemia não baixa, também, por aumentar o efeito dos remédios que já tomamos…?

Exato: não tem como, pelo menos, não no momento.

O que sabemos, até o momento, é que o tratamento com os medicamentos que o médico prescreve, atividade física constante, dieta balanceada e saudável surtem os melhores efeitos possíveis.

Não, ninguém diz que é fácil mudar uma vida inteira de hábitos, principalmente nos casos de diabetes tipo 2. Porém, procurar por um tratamento “milagroso” não é o caminho. Como eu disse lá em cima, o diabetes demanda comprometimento do paciente. Demanda mudança. E todo o mundo é resistente à mudança, é natural do ser humano.

Mas, pensem bem, é mudar para melhor. Todas as pessoas que têm diabetes e se cuidam são MUITO mais saudáveis do que as que não têm diabetes e não se cuidam.

Afinal, quando descobrirem a cura, todos queremos estar inteiros, né? E, o mais importante, tendo um estilo de vida saudável.

Ufa! Vou parar por aqui. Ainda tem muita coisa para falar, mas, essas, são outras histórias. Dúvidas, essas sim, eu respondo 🙂

ronaldo wieselberg perfil diabeticoolRonaldo José Pineda Wieselberg tem diabetes há mais de 20 anos. É estudante de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa (FCMSCSP), auxiliar de coordenação do Treinamento de Jovens Líderes em Diabetes da ADJ Diabetes Brasil e Jovem Líder em Diabetes pela Federação Internacional de Diabetes (IDF), com trabalhos sobre diabetes premiados e apresentados no Brasil e no exterior. Apesar de ter o mesmo nome de vários grandes jogadores de futebol, prefere o xadrez.

 

Compartilhe!