Diabeticool - COVID-19 e o diabetes
Home Ciência COVID-19 severa e diabetes: o que os médicos estão dizendo sobre tratamentos?

COVID-19 severa e diabetes: o que os médicos estão dizendo sobre tratamentos?

Em meio a uma pandemia sem precedentes recentes, médicos tentam compreender, em "tempo real", os efeitos do novo coronavírus na saúde de quem está com diabetes.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, sabe-se que há alguns grupos de risco específicos. São pessoas mais vulneráveis à doença e às suas consequências, com prognósticos piores do que a média. Dentre eles, infelizmente, estão as pessoas com diabetes.

Isso não significa que estar com diabetes necessariamente torna a pessoa suscetível ao coronavírus, é claro. E nem que estar com diabetes necessariamente ampliará os efeitos da doença. Há inúmeros casos de pessoas com diabetes curadas, ou que tiveram apenas sintomas leves. Mas é fato que uma parte considerável dos casos graves de COVID-19 em todo o mundo é relacionada ao diabetes, então é necessário ter cautela.

Em casos de infecções por vírus no geral (não especificamente o novo coronavírus), estar com diabetes costuma ser um fator de risco importante, aumentando a probabilidade de pneumonia e sepse grave.
As evidências também sugerem que os riscos associados à COVID-19 são maiores em pessoas com controle ruim da glicemia, e que o vírus parece estar associado a aumento do risco de cetoacidose diabética.
COVID-19 e taxas de mortalidade
O gráfico acima é da BBC Brasil, e representa os resultados de um estudo de 44 mil casos de COVID-19 na China, publicado no começo do ano. Muito possivelmente ele não representa a realidade atual, mas serve como um parâmetro importante de análises.

 

Recentemente, um dos principais periódicos médicos do mundo publicou orientações e novidades sobre o tratamento de COVID-19 em pacientes com diabetes. Resumimos as principais informações a seguir.

 

O QUE A LANCET DIABETES & ENDOCRINOLOGY DIZ

Diabeticool - COVID-19 e o diabetes - artigo Lancet Diabetes EndocrinologyEm 23 de abril, o respeitado periódico médico Lancet Diabetes & Endocrinology trouxe um artigo, em formato de “opinião pessoal” (isto é, trata-se de um relato de observações pessoais dos médicos envolvidos, e não um estudo científico de fato), sobre cuidados médicos em pessoas com diabetes e a COVID-19. O artigo foi escrito por um grupo com 19 membros, liderado pelo Dr. Stefan R. Bornstein, médico do Helmholtz Zentrum München e da Technische Universität Dresden, na Alemanha. O grupo conta com profissionais provenientes da Europa, Estados Unidos, Ásia, Austrália e América do Sul. Você encontra um link para o artigo completo no final do nosso texto.

Preparamos, a seguir, um resumo das principais orientações:

PREVENÇÃO

  • Primeiro ponto: prevenir o descontrole da glicemia. Isso é especialmente importante em pessoas com diabetes tipo 1, que idealmente devem medir em casa, além da glicemia, as cetonas no sangue.
  • Para DM1 e DM2, é importantíssimo que o controle da glicemia esteja ótimo. Por isso, todas as estratégias para ajudar as pessoas a atingir suas metas – seja aprimorando os tratamentos, seja via consultas por telemedicina – são válidas.

MONITORAMENTO

  • É essencial monitorar o diabetes em todos os pacientes hospitalizados com Covid-19.

TRATAMENTO

  • Para pessoas sabidamente infectadas com o novo coronavírus e que exigem tratamento médico, é importante monitorar por completo a sua saúde (glicemia plasmática, eletrólitos, pH, cetonas no sangue ou β-hidroxibutirato).
  • Os médicos sugerem, inclusive, o tratamento intravenoso com insulina precoce em pacientes com doença grave.
  • Curiosamente, seguem as metas glicêmicas para casos leves e graves da COVID-19:
    • Casos leves: glicemia no plasma de 72 mg/dL a 144 mg/dL
    • Casos graves: 72 mg/dL a 180 mg/dL.

MEDICAMENTOS: ATÉ A METFORMINA EXIGE CUIDADOS!

Diabeticool - comprimidos de metformina

O tratamento das formas mais severas de COVID-19 exige que até mesmo um dos medicamentos antidiabéticos mais seguros que existem – a metformina – seja usado com cautela.

De acordo com o artigo médico, em casos graves de COVID, metformina e medicamentos da classe SGLT2 (inibidores do cotransportador 2 de sódio-glicose) devem ter seu uso suspenso, pois podem acarretar lesões nos rins e maiores riscos de desidratação. Além disso, o uso da metformina nesses pacientes aumenta a chance de acidose lática, enquanto que os SGLT2 aumentam os riscos de cetoacidose diabética. Lembrando, aqui, que são orientações médicas, específicas para casos graves de COVID-19 apenas – pessoas com casos leves e que utilizem qualquer dos medicamentos devem continuar a usá-los.

Medicamentos das classes GLP-1 e DPP-4 podem ser usados sem problemas nesses pacientes, monitorando-os constantemente para evitar desidratação.

E, é claro, o uso de insulina deve continuar sempre.

As orientações descritas acima, segundo os médicos autores do artigo, “são baseadas em nossa opinião como especialistas, ainda aguardando o resultado de ensaios clínicos randomizados”.

 

SAIBA MAIS

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também!

Retrospectiva 2019: novas maneiras de combater a hipoglicemia com glucagon

Esta matéria faz parte do especial do Diabeticool sobre o ano de 2019 para quem convive co…