As Bactérias do Bem

1

Novos estudos revelam que bactérias de nosso próprio intestino podem ajudar na prevenção do diabetes.

por Ricardo Schinaider de Aguiar, especial para o Diabeticool

Na figura, podemos ver células do intestino em azul e, em vermelho, uma densa camada de bácterias (Fonte: Dr. Li Hai, UCVM, Universidade de Bern).

Na figura, podemos ver células do intestino em azul e, em vermelho, uma densa
camada de bactérias (Fonte: Dr. Li Hai, UCVM, Universidade de Bern).

Todos nós temos um enorme número de bactérias e outros micro-organismos vivendo em nossos corpos. Não são bactérias que causam doenças ou infecções, mas bactérias que convivem em harmonia conosco e que inclusive nos trazem benefícios, como a colaboração na digestão de diversos tipos de alimentos e até mesmo ajuda na prevenção de moléstias como a salmonella. Grupos de pesquisadores liderados por Jayne Danska, da Universidade de Toronto, e Andrew Macpherson, da Universidade de Bern, descobriram um novo e importante papel que essas bactérias podem desempenhar em nossos organismos: a prevenção da diabete.

Em jovens e crianças, a diabete pode ser causada por danos nas células do pâncreas responsáveis pela produção de insulina e que são causados por células do próprio sistema imune. A razão para isso parece ser genética. Estudos já haviam demonstrado que ratos com tendência a ter diabete possuíam um mesmo gene que tornavam humanos também mais suscetíveis à doença. Agora, com a ajuda dos laboratórios da Universidade de Bern, os pesquisadores comprovaram que bactérias intestinais, especialmente em ratos machos, produzem hormônios capazes de impedir o desenvolvimento da diabete, mesmo naqueles que possuem a tendência genética.

O crescimento do número de crianças diabéticas visto nos últimos anos faz alguns médicos falarem em uma possível epidemia de diabetes no futuro. Com essa descoberta, abre-se uma nova possibilidade para diminuir essa alta incidência de diabete, principalmente em pessoas que já nascem com uma predisposição genética para a doença. “Nós esperamos que com uma melhor compreensão sobre como essas bactérias intestinais previnem a diabete, nós poderemos criar novos tratamentos que impeçam o desenvolvimento da doença em jovens e crianças”, afirma Andrew Macpherson.

 

Ricardo Aguiar é formado em Ciências Biológicas pela Unicamp e atualmente faz o curso de “Especialização em Divulgação Científica” no Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), também pela Unicamp.

 

Matérias relacionadas:
Como achar um diabético com um microscópio – 21.11.2012

Chineses descobrem que diabéticos e não-diabéticos possuem seres vivos bem diferentes morando dentro de seus corpos.

Compartilhe!
  • rose

    gostei