Conheça a dieta do inhame para diabetes tipo 2

0

Farinha feita com esse tubérculo obtém resultados positivos no controle dos efeitos do diabetes tipo 2 em testes com ratos. Nutricionista recomenda a ingestão do alimento para complementar o tratamento tradicional com medicamentos.

O diabetes atinge 248 milhões de pessoas em todo o mundo e prejudica muito a qualidade de vida de seus portadores, que enfrentam debilidades como perda de peso e cansaço físico. Para controlar esses efeitos da doença, um estudo da Universidade Federal Fluminense (UFF) testa o uso de um alimento bem comum: o inhame.

A ideia de estudar esse tubérculo surgiu a partir do conhecimento popular da China e da Coreia. “Como se encontram muitas referências ao uso do inhame na medicina popular desses países para combater doenças, decidimos testar cientificamente essa sabedoria”, explica o nutricionista Gilson Boaventura, coordenador do projeto.

Para por à prova a sabedoria popular, os pesquisadores testaram a resposta de ratos, saudáveis e com diabetes tipo 2, à alimentação com farinha de inhame. O diabetes tipo 2, forma mais comum dessa doença, está relacionado a uma insuficiência na produção de insulina ou à resistência do organismo a esse hormônio – diferentemente do que ocorre no tipo 1, em que não há produção de insulina.

A insulina é o hormônio responsável por controlar a liberação da glicose pelo fígado. Quando há uma falha nesse processo, os níveis de glicose podem subir, causando diabetes, ou baixar exageradamente, o que caracteriza a hipoglicemia.

Os pesquisadores mediram os níveis de glicose no sangue dos ratos para saber se a farinha de inhame produzia algum efeito. Os animais foram divididos em três grupos: diabéticos, diabéticos com consumo de farinha de inhame – ambos com uma dieta com alto teor lipídico – e saudáveis (para o controle do experimento), com uma dieta padrão.

Depois de cinco semanas, os pesquisadores observaram que os animais diabéticos que não comeram a farinha de inhame apresentaram cerca de 400 miligramas por decilitro (mg/dl) a mais de açúcar no sangue que os saudáveis. Já os ratos que receberam o suplemento mostraram uma concentração de glicose cerca de 60 mg/dl menor que a dos diabéticos que não consumiram a farinha de inhame.

Quanto à perda de peso, uma condição associada ao diabetes, os resultados foram similares. Os estudos indicaram que os ratos doentes que não ingeriram a farinha tiveram o menor ganho de massa dentre os três grupos. O maior ganho foi observado nos animais diabéticos que ingeriram a farinha. Os resultados, no entanto, não apontaram mudanças na produção de insulina, apesar de terem melhorado as estruturas do órgão responsável por esse hormônio, o pâncreas.

 

Antioxidante

Além desses efeitos, os cientistas perceberam outra ação relevante da farinha de inhame. Os animais que tinham esse alimento à disposição apresentaram uma proteção dos tecidos à ação da oxidação, o que previne problemas que poderiam ser causados pelo diabetes. “Notamos um efeito positivo nas células do fígado que pode ser estendido para todo o organismo”, diz Boaventura.

O pesquisador ainda credita ao consumo do inhame outro efeito importante. “Os animais submetidos a essa dieta metabolizaram melhor uma carga de glicose quando em jejum do que outros na mesma situação”, comenta. Isso significa que eles foram capazes de retornar mais facilmente à concentração inicial de glicose no sangue depois de se alimentar em comparação com os animais que não consumiram o inhame.

 

Complemento saudável

A farinha de inhame usada nos testes foi feita com as espécies Colocasia esculenta, conhecida como taro, Dioscorea alata, chamada de inhame ou cará, e Dioscorea bulbifera, o inhame-de-ar ou cará-moela – todos alimentos baratos e comumente presentes na mesa dos brasileiros. A forma de preparo é semelhante à de farinhas de outros alimentos.

O projeto prevê o consumo do inhame como um coadjuvante do tratamento tradicional do diabetes. “O inhame pode e deve ser consumido em substituição a alimentos equivalentes, como o pão do café da manhã, ou adicionado a pratos que levem outros alimentos, como o cozido”, diz o nutricionista. “Mas existem outros alimentos que podem cumprir papéis importantes, por isso recomendamos o consumo eventual.”

Fonte: CiênciaHoje

 

Compartilhe!