Turnos noturnos aumentam os riscos de diabetes tipo 2

0

Fazer serão pode ser pior do que pensava: quanto mais tempo de trabalho extra à noite, muito maiores as chances de se adquirir diabetes tipo 2

Estudos associativos, como aqueles que ligam hábitos de vida e a saúde de uma pessoa, são incapazes de comprovar tais elos, todavia fornecem informações importantes para futuras pesquisas. Foi o que aconteceu recentemente quando uma equipe do departamento de nutrição da Harvard School of Public Health demonstrou que trabalhar em turnos noturnos, além das horas normais matutinas, aumenta consideravelmente as chances de se ter diabetes tipo 2.

Mais de 177 mil mulheres foram acompanhadas pelo estudo. Aquelas que trabalharam em turnos noturnos por mais de nove anos tiveram um aumento nas chances de adquirirem diabetes de 20%; caso tivessem trabalhado mais de 20 anos nestes turnos, as chances aumentavam em 58%. Acredita-se que a causa para este assustador índice seja os maus hábitos de saúde associados a rotinas irregulares, principalmente a má alimentação. Porém parecem existir outros fatores em jogo. Mesmo levando-se em consideração o peso das mulheres estudadas, aquelas que trabalharam em turnos noturnos mostraram ser 24% mais dispostas a terem diabetes tipo 2 do que suas colegas que mantiveram horários de trabalho mais regulares. A principal autora do trabalho, An Pan, explica:

“Sabemos que uma ampla gama de processos biológicos são regulados pelos ritmos circadianos, incluindo ciclos sono-vigília, temperatura corpórea, metabolismo energético, ciclos celulares e secreção hormonal”.

Já é conhecido pela ciência que a interrupção do relógio natural do corpo aumenta os níveis de glicose e insulina no sangue, aumenta a pressão sangüínea e afeta a qualidade do sono. Pesquisas mais detalhadas deverão ser realizadas a fim de se comprovar a influência do trabalho noturno no diabetes – desta vez, incluindo também homens.

Para maiores informações sobre esta pesquisa e os efeitos dos ritmos circadianos no metabolismo, siga este link (em inglês).

Compartilhe!