Tratamento radical abranda o diabetes

1

Tratar de maneira agressiva o pré-diabetes traz enormes vantagens aos pacientes, mesmo quando eles acabam se tornando 100% diabéticos.

A 72a. reunião da American Diabetes Association termina hoje, na Filadélfia. Após um novo estudo ter deixado os pesquisadores lá presentes de cabelos em pé, boas notícias vieram. O Center for Disease Control and Prevention (CDC) americano revelou que  tratar pré-diabéticos com mudanças bruscas e agressivas em seu estilo de vida e na medicação reduz drasticamente as chances destes pacientes se tornarem 100% diabéticos no futuro.


O que, de certa forma, pode soar óbvio: a pessoa tem pré-diabetes, porém se cuida e não desenvolve o diabetes. Vários outros estudos apontam que esta lógica é verdadeira. Todavia, a diferença do anúncio do CDC, publicado no periódico médico The Lancet, é que a análise que o centro fez de seus dados foi um pouco mais profunda (e sutil, então leia com calma!): ao invés de apenas fazer uma porcentagem do número de pré-diabéticos que, com o tratamento correto, não desenvolveram a doença, o CDC calculou o número de pessoas que acabaram se tornando diabéticas, mesmo que sua glicemia tenha sido regularizada pelo tratamento radical. A conclusão é que mesmo estas pessoas faziam parte de uma estatística animadora: elas apresentavam uma redução de 56% na progressão normal do diabetes nos 6 anos subseqüentes ao início da doença. Ou seja, pré-diabéticos que realizaram tratamento intensivo de normalização da glicemia, mesmo que adquirissem a doença, tinham-na de maneira mais “branda”.

Os autores do estudo concluem: ” (…) pré-diabetes significa altos riscos de se desenvolver o diabetes, especialmente em pacientes que se mantêm pré-diabéticos apesar de intervenções intensivas em seu estilo de vida. A reversão para regulação normal de glicose, mesmo que transiente, está associada a uma redução significante do risco de diabetes no futuro (…)”.

 

Compartilhe!
  • Josmar Faria

    Como posso ter acesso a esse tipo de tratamento?
    Grato
    Josmar Faria