No final das contas, diabéticos tipo 1 produzem, sim, insulina!

2

Nova pesquisa utiliza uma estratégia inédita para medir quantidade de insulina no organismo e gera reviravolta na compreensão do diabetes tipo 1.

pesquisa diabetes tipo 1

Provando que nunca é tarde para aprender coisas novas sobre o diabetes, cientistas ingleses descobriram esta semana que diabéticos tipo 1, inclusive os de longa data, ainda são capazes de produzir um pouquinho de insulina.

A informação é revolucionária, uma vez que, até então, a comunidade científica estava convencida de que praticamente todas as células produtoras de insulina eram destruídas em diabéticos tipo 1.

Os pesquisadores da Escola Médica da Universidade de Exeter utilizaram novos métodos, muito mais sensíveis e eficientes que os anteriores, para medir a produção de insulina após as refeições em 74 pacientes. A descoberta foi que três quartos deles (73%) ainda eram capazes de produzir insulina, em doses muito pequenas. O resultado indica que ainda há células-beta (as produtoras de insulina) em atividade no pâncreas destes voluntários.

Vale lembrar: o diabetes tipo 1 é causado quando o sistema imune de uma pessoa passa a, erroneamente, atacar as saudáveis células-beta do pâncreas. Ao longo do tempo, o ataque diminui o número destas células, a produção de insulina cai drasticamente e o diabetes se desenvolve.

“É extremamente interessante que níveis baixos de insulina sejam produzido na maioria das pessoas com diabetes tipo 1, mesmo quem tem a doença há 50 anos“, comentou o principal autor do estudo, o dr. Richard Oram.

“O fato de que os níveis de insulina sobem após as refeições indica que estas células-beta sobreviventes são capazes de responder às refeições de maneira normal – parece que ou elas são imunes ao ataque [pelo próprio organismo] ou então estão se regenerando”, explicou Richard.

 

OS PRÓXIMOS PASSOS

O dr. Oram falou mais sobre o que pode ser feito a partir de agora, com esta nova informação em mãos.

“Nós estamos aptos agora a estudar esta área em detalhe muito maior. Ao estudar diferenças entre aqueles que ainda produzem insulina e aqueles que não produzem mais, nós podemos ajudar a descobrir como preservar ou repopular as células-beta no diabetes tipo 1. Isto poderá ser um passo-chave no caminho a novas terapias que protegerão as células-beta ou as encorajarão a se regenerar”, explicou.

“O próximo passo é um estudo em escala bem maior, para olhar a genética e o sistema imune das pessoas que ainda produzem insulina, e também para responder a importante questão: as complicações do diabetes tipo 1 são ou não reduzidas nas pessoas com níveis baixos de insulina?”, disse Oram.

+ ACOMPANHE O DR. ORAM NO TWITTER EM twitter.com/RAOram

Compartilhe!
  • RODRIGO KELVISTON

    QUE VOCÊS POSSAM ENCONTRA A CURA. QUE MUITOS DIZEM QUE MESMO SENDO DESCOBERTA A CURA, NÃO SERIA REVELADA POR SER UMA INDUSTRIA DE DINHEIRO.
    MAS EU ACREDITO QUE O BEM E MAIOR. GRAÇAS A DEUS…

  • Júlio Cézar Henriques

    Esta notícia de que mesmo em adultos ainda existe producão de insulina, é realmente fantástica. Gostaria de saber, qual a célula de defesa especifica que ataca as células beta e onde ela é produzida? Desde já obrigado!