Não controlada, diabetes pode causar complicações, diz SBD

0

Entre as consequências mais comuns do diabetes, a amputação é relatada por 91% dos entrevistados. Em seguida, aparecem a cegueira (89%) e problemas de circulação (79%). Essa é a principal causa de novos casos de cegueira em pessoas com idade entre 20 e 74 anos e de pelo menos 50% das amputações de membros inferiores. O diabetes, por sua vez, aumenta de duas a quatro vezes o risco de um acidente vascular cerebral (AVC).

De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, entre 2000 e 2010, o transtorno matou mais de 470 mil pessoas, fazendo com que o Brasil atingisse a quarta posição em número de casos no mundo. Atualmente, são mais de 13,4 milhões de pessoas com diabetes do tipo 2, especialmente pessoas obesas acima de 40 anos. Nesse tipo de diabetes, que corresponde a 90% dos casos, há insulina, porém a ação é dificultada pela obesidade.

Segundo o endocrinologista Fabiano Zaidan, o fator mais relevante é a obesidade e a alimentação inadequada predispõe o desenvolvimento da doença. Pessoas com histórico familiar de diabetes, que tenham uma vida sedentária, que já apresentem sobrepeso ou obesidade e mulheres que tenham tido diabetes na gestação fazem parte do grupo de risco. O endocrinologista ressalta que a doença costuma apresentar poucos sintomas, por isso muitos portadores desconhecem essa condição. Entre os sintomas mais comuns estão urinar excessivamente, muita sede, aumento do apetite, perda de peso, cansaço, vista embaçada e infecções frequentes.

Conforme informações da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o diabetes, causado principalmente pelo desequilíbrio na quantidade de insulina produzida pelo pâncreas, é uma doença que, por afetar a imunidade da pessoa, pode prejudicar o processo de cicatrização. Mesmo se o ferimento for pequeno e superficial, todo cuidado é pouco para evitar que ele se transforme em um foco infeccioso. Por isso, é fundamental evitar que as pequenas lesões ocorram e tomar cuidado com as atividades diárias. Fazer as unhas, mexer com fogo ou objetos cortantes, por exemplo, são tarefas que devem ser feitas com cautela. Caso algum imprevisto aconteça e seja seguido por ferimento leve, é preciso utilizar sprays antissépticos e pomadas antibacterianas para tratar o local. Se o ferimento for grave ou houver secreção e febre é necessário o acompanhamento médico.

Fonte: JMOnline

Compartilhe!