Entenda o que é a betatrofina, a “sucessora da insulina”

27

Descoberta de novo e poderoso hormônio que multiplica as células produtoras de insulina pode representar um enorme avanço terapêutico para diabéticos.

Pesquisadores do Instituto de Células-Tronco da Universidade de Harvard, nos EUA, tiveram uma agradável surpresa recentemente. Enquanto estudavam maneiras de imitar o diabetes tipo 2 em camundongos, os cientistas se depararam com um novo hormônio, chamado de betatrofina. A boa notícia é que a betatrofina parece ser capaz de aumentar em muito o número de células beta no pâncreas – as mesmas células que produzem insulina.

O time de cientistas, liderado por Douglas Melton, co-diretor do Instituto, crê que a betatrofina poderá ser utilizada no tratamento tanto do diabetes tipo 1 quanto do diabetes tipo 2 no futuro próximo.

Imagem da pesquisa do dr. Melton mostra células-beta (em verde) no pâncreas se replicando (as novas células aparecem em vermelho), induzidas pela betatrofina. Crédito: Peng Yi.

Imagem da pesquisa do dr. Melton mostra células-beta (em verde) no pâncreas se replicando (as novas células aparecem em vermelho), induzidas pela betatrofina. Crédito: Peng Yi.

 

O PAPEL DAS CÉLULAS BETA NO DIABETES

No diabetes tipo 1, as células beta vão sendo progressivamente destruídas pelo próprio sistema imune do paciente, que se “confunde” e as reconhece como sendo nocivas. Aos poucos, conforme mais e mais células beta são mortas, a produção de insulina cai drasticamente, levando ao diabetes.

Há mais de 100 anos já se sabe que é possível regenerar parte destas células beta perdidas, porém até hoje não foi possível gerar uma quantidade razoável delas a fim de repôr as destruídas pelo sistema imune. Por isso a notícia da descoberta da betatrofina gera muitas esperanças entre a comunidade diabética.

 

AS BOAS NOVAS DA BETATROFINA

A equipe de Harvard, após descobrir o novo hormônio, criou camundongos modificados geneticamente para produzir mais betatrofina no pâncreas. O resultado foi um incrível aumento de 30 vezes na produção de células beta pelo órgão. Com isto, naturalmente, a quantidade de insulina presente no sangue destes animais também subiu. Se este aumento ajuda ou não a controlar a glicemia dos roedores será a questão abordada na próxima fase da pesquisa.

Caso o resultado seja positivo – ou seja, se de fato for comprovado que a betatrofina ajuda a aumentar a produção de insulina -, os cientistas acreditam que um tratamento para o diabetes em humanos poderá ser testado em pouquíssimo tempo, dentro de 2 ou 3 anos.

O co-diretor do Instituto de Células-Tronco da Universidade de Harvard, Douglas Melton.

O co-diretor do Instituto de Células-Tronco da Universidade de Harvard, Douglas Melton.

Diabéticos do mundo inteiro ganham enormes esperanças ao ouvir descobertas científicas como esta – e eles não estão sozinhos neste sentimento. O próprio líder do projeto, Douglas Melton, é um dos mais interessados em ver o diabetes sendo curado. Ele se tornou diretor do Instituto de Células-Tronco de Harvard após descobrir, em 1993, que seu filho, à época com seis meses de idade, estava com diabetes tipo 1.

A pesquisa foi publicada na última edição da respeitadíssima revista científica Cell.

 

Compartilhe!
  • isaac

    Vamos torcer que realmente seja um avanço extraordinário, perante a esta doença, incodando muita gente e matando tambem, eu como ja a tenho torso para estes testes darem certos.

  • Luis Gonçalves

    Como posso fazer esse tratamento aqui em Portugal, com BETATROFINA.
    Apdp Diabete Associação de Diabetes de Portugal

  • DiabetiCool

    Olá, Luis Gonçalves

    Ainda não há um tratamento com a betatrofina para ser utilizado em humanos – mas esta história pode mudar em pouco tempo! O que anunciamos acima é a descoberta do hormônio. Os cientistas ficaram tão empolgados com esta nova molécula que certamente farão testes clínicos o mais rápido possível. Vamos torcer por eles!

    Equipe Diabeticool

  • Lucélia Silveira Moreira

    não vejo a hora meu Deus de libertar desta doença ,abusa e como sentimos isolado do mundo. chega logo na Brasil ou melhor Bahia.

  • Que deus o ilumine e que de certo tdo isso pra nos diabeticos.

  • Herdei de m/mãe que o herdou de seus antepassados. Ela morreu aos 72 anos- Eu tenho 87 anos e trato o mal desde a juventude, Os remedios já não estão fazendo efeito. Tive dois infartos há 11 anos. Essa proteína betatropina é a ultima esperança.. Estive a ponto de fazer hemodialise. Contribuiu para a piora a minha profissão: jornalista.

  • Maria Amelia Alves Figueiredo

    Tomara que os estudos se concretizam em uma nova realidade de bem estar a nós diabéticos. E que a burocracia do governo injeta de imediato a essa tortura de muitos seres humanos. Seria uma tremenda descoberta científica, que até hoje considero inacreditável.

  • Eliana Belo Silva

    Quando que essa pesquisa foi publicada na revista CELL? Você tem o link do artigo original para me passar? Obrigada.

  • DiabetiCool

    Olá, Eliana!

    A pesquisa foi publicada na edição de maio (Vol. 153, Iss. 4) da Cell. Eis o link para o artigo: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0092867413004492.

    Equipe Diabeticool

  • José Fernando Mendes Barreto

    Estou muito feliz com notícia.

  • Dalva Dilemar Andrade Vendramini

    Gostaria muita de ter mais noticias da cura do diabetes tipo 1.
    Que Deus, nosso Senhor Jesus Cristo, abençõe estes pesquisadores.

    Obrigada,
    Dalva

  • Antonio G.Gonzalez

    fiquei muito contente, tomara que de tudo certo e venha logo para o Brasil.

  • Juacir Heitor de Paula

    Será que o governo do EUA e os laboratórios multinacionais vão deixar que essa pesquisa prossiga? Que Deus nos proteja. Estou torcendo para que dê tudo certo, pois Eu também seria um beneficiado. Que assim seja. Graças a Deus.

  • Sou diabético há 25 anos tipo2 faço uso de insulina e tb sou presidente da Associação de Diabetes Sempre Amigos de Indaiatuba.Esta noticiais traz para nós diabéticos uma grande esperança em um dia veremos o inicio e o fim das picadas diarias .Acesse o nosso site:www.sempreamigos.org.br e nos enviem texto para seja publicado em nosso Jornal Informativo.

  • Pingback: Associação Sempre Amigos – Descoberta de novo e poderoso hormônio que multiplica as células produtoras de insulina pode representar um enorme avanço terapêutico para diabéticos.()

  • como posso faser parte desta pesquisa sofro muito tenho 58 anos a des com diabetes nunca tive coma mas tudo que como fas ela subir muinto por favor me ajudem pois meus pes sao dormentes sofro com coceira em partes do corpo acho esta doenca um inferno podem me ajudar?

  • Arnaldo Almeida

    Fiquei com muita esperança, quero me candidatar como voluntário, cobáia para o inicio de testes e pesquisa. Como proceder?

  • DiabetiCool

    Certamente, Juacir! O governo norte-americano é que está patrocinando a pesquisa, aliás, através da Universidade de Harvard. Temos que ter em mente que, devido aos altíssimos custos que o tratamento do diabetes acarreta aos cofres públicos em países nos quais o sistema de saúde é subsidiado pelo governo, uma cura para a doença certamente seria muito benquista.
    Todos estamos torcendo para que esta pesquisa dê certo – e logo!

    Equipe Diabeticool

  • Elizabete G Machado

    So Jesus pra abençoar esses pesquisadores e a salvar muitas pessoas quero se possivel me manter informada dessa cura que Jesus esteja com todos voces que realmente querem salvar muitas pessoas desse mal………..Obrigado……

  • Joseilton

    A esperança de um tratamento que realmente possibilite a “cura” da Diabetes, é algo que mudará para sempre a vida de milhões de pessoas pelo mundo, creio que a iluminação divina irá inspirá esses cientista no avanço dessa descoberta.

  • Gostaria de saber como faço para ser voluntário nas pesquisas com a betatrofina,pois sou diabético tipo:2 e faço uso de insulina por favor me mandem uma resposta quando e onde posso fazer parte dessas pesquisas ,em qualquer parte do Mundo….!!!!!

  • DiabetiCool

    Olá, Armando

    Os promissores estudos com a betatrofina ainda são muito novos. Isto é, vai demorar um pouquinho até os cientistas entenderem bem como este novo hormônio funciona, e só daí serão feitos testes clínicos com humanos. Por enquanto, resta-nos torcer muito para que os próximos passos das pesquisas dêem certo também! O Diabeticool ficará de olho nas novidades.

    Um abraço,
    Equipe Diabeticool

  • afonso

    Oi é só para diser que não se esqueço deste pobre PORTUGUÊS que enfelismente tambem é diabético tipo 2 desde 2006 que DEUS ouça essas peçoas que tanto se preócupão com uma doença que até agora náo tinha cura boas expriencias não se demorem muito com essa cura milagrosa bên ája

  • Lusineth

    Que Deus ilumine e dê sabedoria a esses cientistas. Tenho uma filha de 11 anos. Há um ano descobri que ela tem diabetes tipo 1. É muito sofrimento para toda família principalmente para quem está doente.

  • Osvaldo pinto da silva

    fico muito contente por esta descoberta, pois eu a tenho tipo 2, E assim que Deus da nos o poder de ver pessoas da familia com este tipo de problema no caso Sr* Dr* dooglas meltom que se esforçou com Sr* Dr* i ping nessa descoberta para aliviar quase a cura para muitos pacientes do mundo inteiro, aguardamos o quanto antes esse tipo de medicamento( hormonio betatrofina) Obrigado e agradeço ao Srs doutores, Deus e o mundo estâo com voceis

    São paulo, 30 de outubro de 2013

  • selma

    que deus ajude que der tudo certo tenho uma filha com sete anos e ela tem o diabete tipo 1 e muito dificil e complicado mesmo

  • tavares

    Pessoal, algum avanço nessa pesquisa, essa reportagem é de 2013, já passaram – se quase 3 anos.