Diabetes: Contagem de Carboidratos e Alimentação Saudável

0

O que significa alimentar-se de maneira saudável para quem convive com o diabetes? E o que é a contagem de carboidratos? Ronaldo Wieselberg explica.

alimentacao saudavel para o diabetes

Na onda da alimentação saudável – tema escolhido pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) para o Dia Mundial do Diabetes – vamos falar hoje sobre a contagem de carboidratos.

Antes de qualquer coisa, é preciso lembrar o que significa “alimentação saudável”. Ao contrário do que muita gente pensa, comer de maneira saudável não significa comer “só salada”. Alimentação saudável significa comer o alimento adequado a cada momento, na quantidade certa. E o que seria isso?

Oras, vamos partir da ideia – errada! – de que “comer da maneira certa é comer apenas salada”. Em uma festa de aniversário, enquanto todos estão comendo bolo, não parece esquisito simplesmente abrir um pote de alface e começar a comer?

guloseimas acucaradas

Guloseimas açucaradas já foram consideradas “intocáveis” por quem está com diabetes…

De fato, parece. Não vai ser psicologicamente agradável ter que comer um montão de alface enquanto todos comem algo diferente.

Da mesma forma, imagine-se comendo apenas salada. Seu corpo precisa de outros nutrientes – por exemplo, a proteína da carne e do leite, os carboidratos do pão e da batata… – e sem eles, o “carro” que é o seu corpo simplesmente não consegue andar!

Portanto, no caso da festa, comer de maneira saudável seria… Exatamente: comer um pedaço de bolo!

 

EXISTEM COMIDA ‘PROIBIDAS’ PARA QUEM ESTÁ COM DIABETES?

Mas Ronaldo, eu tenho diabetes, não posso comer doces…!

Essa é uma ideia bastante antiga, e que hoje não tem muito sentido. “Proibir” sempre traz consequências além do esperado: a pessoa que acaba comendo algo “proibido” tem aquela sensação de que é mais gostoso; depois bate aquele arrependimento, a pessoa fica deprimida por ter cedido à vontade…

…e no final, hoje não existem alimentos “proibidos” para quem tem diabetes. A diferença entre o remédio e o veneno está exatamente na quantidade.

Evidentemente, comer o bolo inteiro com certeza causaria problemas, desde uma hiperglicemia tremenda, até uma senhora dor de barriga. Porém, um pedaço de bolo tradicional pode, inclusive, ter menos carboidratos do que a versão diet – como já expliquei neste artigo aqui!

escolhas alimentares diabetes

Existe algum alimento que é mais “correto” de comer? Depende da situação e do bom controle da glicemia.

 

O QUE É A CONTAGEM DE CARBOIDRATOS?

Então, a contagem de carboidratos. Explicando rapidamente, esta técnica permite à pessoa com diabetes flexibilizar a dieta, possibilitando, assim, que ela tenha maior controle sobre o que come e como ele afeta a glicemia – e o restante do organismo também.

Muitas pessoas que têm diabetes e usam insulina – tanto tipo 1 quanto tipo 2! – podem utilizar a contagem de carboidratos a partir de uma série de valores numéricos – chamados de “fator de sensibilidade” e “fator de correção” – calculados pelo médico. Assim, de acordo com a quantidade de carboidrato e de acordo com a medição da glicemia, a pessoa pode aplicar a quantidade de insulina correspondente, para que a glicemia permaneça estável com aquela refeição.

aplicativos para contagem de carboidratos diabetes

Já existem diversos aplicativos – inclusive gratuitos – e ferramentas na internet que facilitam a contagem de carboidratos.

Já outras pessoas, que não usam insulina, usam a contagem de carboidratos de uma maneira um tanto quanto diferente. Uma vez que não usam insulina exógena para “compensar” o que entra, em geral, acabam substituindo os alimentos que comem no dia a dia.

Com mais detalhes, a nutricionista calcula a quantidade de nutrientes que a pessoa deve comer diariamente. Então, de acordo com aquela quantidade, ela planeja, junto com a pessoa, o que pode ser utilizado como substituição – por exemplo, em vez de um pãozinho francês pela manhã, a pessoa pode substituí-lo por bisnaguinhas, ou por torradas, bolachas de água e sal…

 

Parece muito complicado aprender tudo isso. Mas, na realidade, depois de algumas refeições é bastante simples. Traçando um paralelo: também diziam, alguns anos atrás, que seria muito complicado para as pessoas de países em desenvolvimento – como o Brasil – entenderem o esquema dos coquetéis antirretrovirais para o HIV, e, vejam só!, hoje somos referência mundial nesse tema.

Então, por que deixar que algumas substituições e continhas nos detenham? É a mesma matemática do primário que será utilizada…

Portanto, caso tenha interesse no tema, procure uma nutricionista e converse com o seu médico! Proibir alimentos não é nada saudável, e não precisa ser assim!

Forte abraço!

ronaldo wieselberg perfil diabeticoolRonaldo José Pineda Wieselberg tem diabetes há mais de 20 anos. É estudante de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa (FCMSCSP), auxiliar de coordenação do Treinamento de Jovens Líderes em Diabetes da ADJ Diabetes Brasil e Jovem Líder em Diabetes pela Federação Internacional de Diabetes (IDF), com trabalhos sobre diabetes premiados e apresentados no Brasil e no exterior. Apesar de ter o mesmo nome de vários grandes jogadores de futebol, prefere o xadrez.
Quer ler todos os textos do Ronaldo Wieselberg? Clique aqui!

 

Compartilhe!