Conheça os novos benefícios da Dieta Mediterrânea

2

Pesquisa espanhola revela novo papel da popular dieta para a saúde de quem está com diabetes.

dieta mediterranea diabetes

Um estudo conduzido pela cientista Marta Guasch-Ferré, da Universitat Rovira i Virgili, na Espanha, e demais colegas identificou novas propriedades benéficas à saúde na dieta mediterrânea. A dieta mediterrânea é um guia de alimentação saudável baseado na culinária tradicional de países como a Itália, Grécia e Espanha. O trabalho foi realizado ao longo dos últimos cinco anos e acompanhou a saúde de quase 7500 voluntários, os quais ou tinham diabetes tipo 2 ou corriam riscos de desenvolver doenças coronárias.

O foco principal da pesquisa foi descobrir como a dieta mediterrânea influencia na melhora ou piora da hiperuricemia – que é a excreção, na urina, de ácido úrico em excesso. A hiperuricemia é uma condição associada a doenças como a síndrome metabólica, hipertensão e problemas cardiovasculares, além de ser também muito prevalente em quem está com diabetes tipo 2. Quem tem hiperuricemia por muito tempo pode acabar desenvolvendo doenças sérias nos rins e inflamações crônicas, por isso ela precisa ser combatida com rigor.

As descobertas dos pesquisadores espanhóis são positivas para a dieta mediterrânea. Entre as novidades, a boa notícia é que as taxas de reversão da hiperuricemia foram maiores naqueles voluntários que adotaram a dieta. Quanto mais aferrados à ela, maiores as chances de reversão.

A dieta mediterrânea é baseada, em termos gerais, nos seguintes princípios:

  • Alto consumo de frutas, vegetais, legumes, azeite de oliva, sementes e cereais;
  • Consumo moderado de vinho, produtos lácteos e aves;
  • Baixo consumo de carne vermelha, bebidas doces, cremes e massas.
A pesquisadora Marta Guasch-Ferré, uma das autoras do estudo.

A pesquisadora Marta Guasch-Ferré, uma das autoras do estudo.

Os voluntários que seguiram estes preceitos tiveram uma melhora substancial na saúde. Em particular, os cientistas puderam mostrar que consumir menos de uma porção de carne vermelha por dia reduz em 23% os riscos de hiperuricemia. Além disso, o consumo exagerado de vinho mostrou-se danoso à saúde, sendo responsável por um aumento nos riscos de hiperuricemia.

A pesquisa foi publicada na última edição da revista Journals of Gerontology Series A: Biological Sciences and Medical Sciences. Ela representa mais uma prova de que a dieta mediterrânea pode ser uma ótima e válida opção para um estilo de vida mais saudável, tanto para quem precisa melhorar a saúde quanto para quem deseja viver mais e melhor.

 

Compartilhe!
  • maurilia sousa de assuncao

    gostaria de receber informaçoes sobre novas descobertas do diabetes

  • enilda

    sou diabetica e gostaria de saber mais sobre a dieta mediterranea por uma melhor qualidade de vida, gostei das informaçoes mais preciso saber mais sobre ela. parabens