Atletas com diabetes tipo 1 vão escalar as Montanhas Brancas da Grécia

1

Expedição de atletas (incluindo dois brasileiros) é realizada pela World Diabetes Tour e pela SWEET Pediatric Diabetes e conta com apoio da Sanofi Diabetes.

escalada em prol do diabetes tipo 1

Uma mega-aventura em prol da conscientização sobre o diabetes.

Dois brasileiros vão participar de uma escalada para estimular outras pessoas com diabetes a superar seus desafios e mostrar que é possível ter qualidade de vida. Eles integram uma equipe internacional composta por 11 jovens atletas com diabetes tipo 1 e quatro médicos, que irá enfrentar o desafio de escalar as Montanhas Brancas com quase 2,5 mil metros de altitude, localizadas na Grécia, entre os dias 23 e 28 de agosto.

O grupo é formado por jovens de 15 a 20 anos de diversas nacionalidades: França, Alemanha, Canadá, Estados Unidos e Brasil. Eles não são alpinistas profissionais e vão participar de uma escalada pela primeira vez. A expedição, realizada pela associação francesa World Diabetes Tour (WDT) e pela SWEET Pediatric Diabetes, conta com o apoio da plataforma Sanofi Diabetes, comprometida com o controle da doença, que aposta em iniciativas com foco no paciente. A iniciativa tem por objetivo mostrar que pessoas com diabetes têm condições de superar desafios e ter qualidade de vida.

Dois brasileiros participarão desta escalada às Montanhas Brancas: Pedro Zaniol, de 18 anos, paciente com diabetes tipo 1, e Mauro Scharf, endocrinologista, diretor médico do Laboratório Frischmann Aisengart e fundador do centro de diabetes em Curitiba, que integra a equipe de profissionais da saúde da expedição. Zaniol pratica corrida e musculação e já conquistou várias medalhas na natação. Já Scharf pratica esportes radicais, como corrida de montanhas.

escalada Montanhas Brancas diabetes tipo 1-2Ambos se prepararam com antecedência para o desafio controlando a alimentação, e realizando uma preparação física e mental. Zaniol contou com a orientação de seu pai, que é maratonista, além do próprio Scharf que é seu endocrinologista.  O jovem conta que pratica corrida quatro vezes na semana, de olho no condicionamento físico para superar o desafio. “É a minha oportunidade de ser um exemplo para outros jovens. Sei que muitos não têm a oportunidade que eu tenho de se consultarem com bons médicos e terem acesso a medicamentos. Quero mostrar que podem levar uma vida normal, mesmo com o diabetes”, afirma o atleta.

Scharf se prepara para a escalada com exercícios diários. A seu favor está experiência da participação na última escalada ao Machu Picchu promovida pela mesma iniciativa em 2014. Para o médico, a expedição é importante para os pacientes perceberem que o diabetes não deve ser um empecilho. “Espero que essa experiência seja marcante para esses jovens, porque eles podem ser exemplos para outras crianças e adolescentes, mostrando que é possível superar seus desafios”, afirma o endocrinologista.

O endocrinologista ressalta que o controle adequado da glicemia é fundamental para que pessoas com diabetes encarem desafios como esse. Por esse motivo, a equipe de alpinistas será acompanhada por profissionais médicos. Isso não significa, no entanto, que a prática do montanhismo apresente dificuldades extras para quem tem diabetes.

O dia a dia da escalada da equipe de alpinistas será reproduzido em tempo real na fan page da expedição por meio de vídeos e fotos da equipe, desde a preparação até o fim da jornada.

escalada Montanhas Brancas diabetes tipo 1

“Lute por controle, atreva-se a sonhar” diz a faixa dos jovens.

 

Sobre a Sanofi Diabetes

A Sanofi se dedica a ajudar os pacientes a administrar o complexo desafio do diabetes oferecendo soluções inovadoras, integradas e personalizadas. Orientados por informações relevantes resultantes da atenção e do compromisso voltado aos pacientes com diabetes, a empresa faz diversas parcerias com o objetivo de oferecer meios para diagnósticos, tratamentos, serviços e dispositivos, inclusive sistemas de monitoramento de glicemia. A Sanofi comercializa medicamentos injetáveis, inaláveis e orais para portadores de diabetes tipo 1 e tipo 2.

Fonte: Jornal de Brasília

 

Compartilhe!