As Havaianas da Discórdia

0

Instituto americano chia sobre supostos efeitos nefastos de se usar sandálias de dedo – especialmente pelos diabéticos!

Crédito da imagem: Cnn.com

De acordo com a Avaliação Nacional da Saúde dos Pés de 2012 (sim, isso existe!), 78% dos americanos acima dos 21 anos já sofreu de problemas nos pés. Um dos sintomas mais comuns são as dores – e a popularização das sandálias de dedo seria a causa de tanto desconforto. Bob Thompson, diretor executivo do Instituto de Saúde Preventiva dos Pés, faz questão de declarar que não possui um par sequer destes calçados. Para ele, é um horror a maneira como as sandálias são usadas corriqueiramente no dia-a-dia, seja para ir à piscina, seja para fazer compras. Calçado para o cotidiano é tênis, diz ele, por oferecer proteção e sustentação adequadas aos pés. As sandálias de borracha não possuem solas que dobram nos locais onde deveriam dobrar – isto é, seguindo a forma dos pés. E as tiras de borracha machucam, provocam bolhas nos membros errantes.

Como diz a matéria, “usar sandálias de dedo pode ser seriamente prejudicial para pessoas cujos pés já estão sob risco: para pessoas com diabetes, que freqüentemente têm circulação ruim e pouca sensibilidade nos seus pés, usar as sandálias pode expô-las não apenas a machucados, como também a infecções. Quem tem problemas de equilíbrio pode se sentir inseguro ao usar sandálias de borracha. E para aquelas pessoas sofrendo de obesidade, vestir um calçado sem estruturação pode adicionar tensão a pés que já são tensos, por carregar peso extra.”

Continue lendo a matéria aqui!

 

Falamos e comentamos sobre o pé diabético em alguns posts, como este. Sendo tão comum ocorrerem problemas nos membros inferiores, todo cuidado é pouco com nossos pés. Todavia, a matéria só poderia ter sido escrita em um país no qual as Havaianas são sucesso há pouco tempo. O clima de apocalipse que ela gera faz qualquer pessoas pensar três vezes antes de usar uma mera sandália de dedo. Sempre é importante tomar cuidado, mas, por favor!, também não é para tanto exagero!

Compartilhe!